segunda-feira, 7 de agosto de 2017

A Menina com visão de Raio X

Natasha Demkina (nascida em 1987, na cidade de Saransk) é aclamada na Rússia como "a garota com olhos de Raios-X ". A garota diz ter o dom da segunda visão, que lhe permite ver os órgãos internos do corpo humano. Ela descreve sua habilidade fenomenal, como segue: "Eu tenho duas visões. Eu posso mudar a qualquer momento sem razão, que eu iria querer ver o estado de saúde de uma pessoa", Natasha disse . "Esta mudança não traz nenhuma dificuldade para mim, eu só preciso pensar sobre isso. Eu posso ver a estrutura completa de um corpo humano - como os órgãos internos estão posicionados e como eles funcionam. É difícil explicar como identifico doenças. A segunda visão só está ativa durante o dia, ela não funciona durante a noite".

Ao mesmo tempo, Natasha é incapaz de ver seus próprios órgãos internos. Segundo a imprensa, os diagnósticos de Natasha são, por vezes, mais precisos que os feitos por médicos com a ajuda de up-to-date de equipamentos médicos. No entanto, ela não conseguiu confirmar suas habilidades durante o experimento organizada pelo Discovery Channel, em 1 de maio de 2004. Ela encontrou-se em condições desfavoráveis, que tinham sido deliberadamente "criadas" durante o experimento, Natasha disse.




De acordo com a Natasha e seus pais, ela descobriu suas habilidades incomuns na idade de dez anos. No  primeiro diagnóstico de seus conhecidos e parentes, esse fenômeno foi amplamente coberto pela televisão, no inverno de 2003-2004. Naquela época, Natasha estava prestes a terminar a escola. Natasha com sua mãe foram convidadas pela imprensa para ir a Londres e ela demonstrou suas habilidades ao vivo na televisão britânica. Ela também participou de uma experiência organizada pelo SOL. A garota demonstrou seus poderes extraordinários sobre o repórter Dom Briony Warden, que sofreu lesões múltiplas em um acidente de carro.

O canal Discovery, em março de 2004, se interessou pelo fenômeno Demkina. Dessa vez o teste foi elaborado pelo Comitê para a Investigação Científica de Alegações do Paranormal (CSICOP) e da Comissão de Desenvolvimento Científico de Medicina e Saúde Mental (CSMMH), que teve interesse na menina. O programa de experimentos foi feito pelos cientistas Dr. Ray Hyman, professor da Universidade de Oregon, e Dr. Richard Wiseman, professor de psicologia da Universidade de Hertfordshire, assim como Andrew Skolnick, que trabalhou como repórter e é editor do Journal of American Medical Association há mais de dez anos.

No experimento, Natasha tinha que diagnosticar sete voluntários. Seis deles tiveram anomalias mostradas por raios-X e uma pessoa era saudável. Ela teve que indicar o número de participantes com anormalidades em cartões especiais, descrevendo as anormalidades em russo e em inglês. Se ela tivesse adivinhado cinco vezes em sete anos, a comissão teria reconhecido que seu fenômeno foi um estudo mais aprofundado de valor. As condições do experimento havia sido combinadas com Natasha e sua mãe previamente, concordando com tudo. Os voluntários apresentaram as seguintes peculiaridades: apêndice vermiforme remoto, parte inferior do esófago cauterizada, grampos metálicos cirúrgicos no tórax após uma operação de coração, articulação artificial da coxa, ablação do lóbulo superior do pulmão esquerdo e placa de metal para cobrir o defeito do crânio.

Durante o experimento, a menina deu quatro respostas corretas, embora a mãe dela tenha afirmado que a filha nunca tinha errado. O resultado foi reconhecido como insatisfatório. Além disso, ela levou quatro horas para estabelecer o diagnóstico, embora ela tivesse dito que iria levaria alguns minutos.

O teste teve seis rodadas. Cada teste foi explicado a Natasha em detalhes - com textos em inglês, russo e ilustrações. Seu mais terrível engano foi sua incapacidade de encontrar a placa de metal no crânio de um participante. Houve também várias violações do protocolo dos testes. Por exemplo, Natasha chegou mais cedo do que foi acordado e viu dois voluntários subirem uma longa escadaria em direção ao prédio onde o experimento iria ocorrer. Um amigo de Natasha, que atuou como intérprete durante os testes, foi visto constantemente recebendo e enviando mensagens de texto.

Os organizadores do experimento associaram os acertos de Natasha aos pacientes cujas aparências revelavam claramente o seu estado de saúde. Por exemplo, o voluntário sem defeitos era a mais jovem e a pessoa mais saudável para o futuro do grupo. O homem que havia sofrido uma operação de coração era o mais velho. Além disso, Natasha escolheu o único homem com um boné de beisebol como aquele que passou por uma operação do crânio. Apesar das violações acima mencionadas, a Comissão realizou o teste e levou em consideração que ele não teve como objetivo expor as habilidades de Natasha. Os resultados serviriam para mostrar se suas habilidades merecem mais estudos.

Natasha Demkina manifestou desacordo com as conclusões da comissão. Ela disse que não tinha experiência em digitalização de vários pacientes ao mesmo tempo. Ela também mencionou o ambiente hostil durante o experimento.

O jornal britânico The Sun teve a oportunidade de realizar a sua própria experiência para confirmar as habilidades incríveis da garota de raios-X da Rússia. Na primeira, Natasha Demkina surpreendeu os médicos em seu próprio país.

A criança prodígio chegou em Londres, juntamente de funcionários do jornal britânico. O jornal publicou os resultados do experimento em uma de suas edições. A equipe editorial foi unânime pela escolha da repórter Briony Warden para testar as habilidades da moça. O repórter havia sofrido  inúmeras fraturas quando foi atropelado por um carro, em outubro de 2003.

A mulher não havia se recuperado de sua lesão no momento em que o experimento foi realizado. Antes de Natasha aparecer na casa da jornalista no norte de Londres, Briony havia retirado uma placa da sua perna e escondeu todos os traços visíveis da sua fratura. Esta é a forma como ele descreveu seu encontro com a jovem prodígio russa: "Suas pupilas estavam dilatadas e ela parecia ter caído em transe. No início, ela começou a digitalizar a parte lesada das minhas costas, que ela chamou de "bloqueio um". Na verdade, eu tenho quatro fraturas. Ela descreveu minha pélvis como assimétricas e apontou para o lado direito, com diversas fraturas. Ela apontou para o meu queixo e disse que viu "um corpo estranho" lá.

Mais tarde, Briony disse que tinha uma placa de titânio lá para apoiar os ossos. "O momento mais maravilhoso foi quando ela descobriu os danos na minha perna esquerda! De fato, tanto a minha canela quanto meu spellbone estão quebrados. Fiquei surpresa porque ela encontrou duas fraturas em separado e disse que eu tinha problemas com flexão do joelho. Então ela disse que viu "vários traços de pinos de metal e parafusos no osso. Sem ver as cicatrizes, ela não podia saber que há duas semanas minha perna estava presa com vários pinos e parafusos. Ela ainda disse que as cicatrizes deixadas por pinos e parafusos foram cobertas com um tecido novo, o que é absolutamente verdadeiro, pois o raio-X passado mostrou.

Aturdida, Briony acrescentou: "Natasha é uma pessoa incrível! Eu era muito cética. Fiquei muito impressionada com isso!

Após o exame, os repórteres do The Sun descreveram o acidente que havia acontecido com Briony. Natasha disse que ela podia ver que "todos os seus ferimentos fechavam-se bem".

Natasha relata que apresentou o dom aos dez anos de idade. Um dia ela contou à mãe sobre a estrutura do corpo humano. Ela não sabia os termos reais médicos e descreveu rins como feijões e intestinos como uma mangueira de jardim. Sua mãe estava ficou assustada e resolveu consultar especialistas. NUma consulta médica, Natasha descreveu a estrutura do seu organismo. Os médicos ficaram perplexos.

A menina podia fazer a varredura dos órgãos, determinar a sua condição, e detectar células, bactérias ou vírus no organismo. Ela pode mudar para a segunda visão à vontade, mas sente terríveis dores de cabeça depois de longas sessões. No entanto, ela não pode usar o dom em si mesma e nem curar-se.

Tatyana Demkina (a mãe) tentou esconder a anomalia da filha, mas o apartamento logo se tornou o lugar onde muitas pessoas doentes iam pedir ajuda. Certa vez foram procuradas por uma mulher que não podia engravidar há nove anos. Natasha concordou em ajudá-la e a mulher deu à luz um menino em seu devido tempo. Mas a família feliz sequer convidou Natasha para ver o bebê.

Natasha sonha em se tornar uma médica para fazer o seu trabalho de forma legal e salvar pessoas. Sua mãe consultou peritos várias vezes para confirmar o dom da filha. "Nós estivemos escondendo o dom da nossa filha por um longo tempo", disse Nikolai Demkin, o pai de Natasha. "Mas a sua singularidade tornou-se propriedade pública e depois nossa família foi perseguida por jornalistas. Os jornais locais também escreveram sobre ela e alguns artigos nos trouxeram muita tristeza", disse.

Em 2004, Natasha terminou a escola e entrou para o Departamento Médico do Estado de Moscou da Universidade Médica. Atualmente trabalha no Centro Especial de Diagnósticos de Moscou.

Créditos: vinhadeluz

Gostou do post? Compartilhe com seus amigos e faça o HD crescer!


Peço a ajuda de vocês para clicarem nas palavras sublinhadas de laranja e nos links que
mostrarão, pois assim conseguirei mais verba para melhorar o blog (:

Nenhum comentário:

Postar um comentário